sábado, 29 de agosto de 2009

Nadando golfinho (borboleta)

Começo a nadar. Logo procuro o ritmo perfeito. Sinto meu corpo cada vez mais relaxado, a respiração tranqüiliza. Meu corpo parece ir sozinho.
Encontro tal ritmo e nado sem esforço algum, meu corpo sobe pelo impuxo da água, mergulha pela ação da gravidade, meus braços passam pela água sem força, minhas pernas estão soltas, braços e pernas acompanham o movimento do corpo.
Nado sem pensar em nada, meus olhos ficam serrados, só escuto minha respiração e o barulho da água, tenho a impressão de estar cochilando.
Sinto cada parte do meu corpo, ao mesmo tempo pareço não estar ali.
Ao subir para respirar olho rasteiro a superfície da água, vejo um horizonte de água à minha frente,
pareço estar viajando, atravessando o oceano, tenho a sensação de ter incorporado o espírito de uma baleia como se pudesse experimentar, sentir o que ela sente, ver através de seus olhos enquanto nada tranqüila e serena sobre a superfície do mar tão calmo quanto ela. Não da vontade de parar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores